Metades de um todo   Leave a comment

 

SONY DSCÉ como se precisasse beber toda a chuva,
para acender a claridade dos ombros.
Apagar estrelas com os pés descalços, para
acordar o fogo adormecido.

Os sonhos, enchem os espaços vazios, entre
as nuvens das palavras. Morre um, chora a nuvem.
Na extremidade do que morre nasce outro e a dispersa.
Preciso do que morre, para regar o que nasce.

Por mais que me vista de metade, não é mais que
um disfarce a cobrir um corpo inteiro.
Como podia eu ser a metade de outro, se eu própria
já sou duas? Que metade lhe daria?

Sou saudade, do que já foi: memória que arrasto até
à outra metade, que descobre o que ainda será.
Sou azul. Um azul de outro azul, a luzir em cada
metade. E talvez cada metade, se divida em mais duas.

Amar é um peregrino a caminhar no deserto.
Uma chegada ao paraíso de um oásis, onde nunca
sabemos ficar. Uma exigência constante, de ter
apenas uma metade do outro a morar cá dentro, por
nunca o sabermos aceitar por inteiro.

 
Texto: Sónia Micaelo

Foto: João Carvalho

Anúncios

Posted 6 de Novembro de 2013 by João Carvalho in Foto, Pensamentos

Tagged with ,

Obrigado pelo seu comentário ! João Carvalho

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: